sábado, 21 de março de 2015

Dia da Poesia

Olá queridos leitores! Hoje é o dia mundial da poesia. A poesia...o tipo de literatura onde são expostos sentimentos, emoções e sensações que não podem ser reprimidas e transbordam através da caneta, para o papel.

Eu particularmente tenho uma grande admiração pelos poetas. Principalmente os que tem a capacidade de tocar o coração do leitor, pois esse é o verdadeiro sentido da poesia. Diversos temas são abordados nas poesias e eu fiz uma seleção de cinco poesias/poemas que tratam de assuntos variados, para que vocês possam ver essa diversidade. Esses também são os meus preferidos:

1- Nem Tudo é Fácil, Cecília Meireles


"É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste.
É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada

É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre.

É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia.

É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.
É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo.
É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.
É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.
Se você errou, peça desculpas...
É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado?
Se alguém errou com você, perdoa-o...
É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender?
Se você sente algo, diga...
É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar
alguém que queira escutar?
Se alguém reclama de você, ouça...
É difícil ouvir certas coisas? Mas quem disse que é fácil ouvir você?
Se alguém te ama, ame-o...
É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz?
Nem tudo é fácil na vida...Mas, com certeza, nada é impossível
Precisamos acreditar, ter fé e lutar
para que não apenas sonhemos, Mas também tornemos todos esses desejos,
realidade!"

2- Eu, etiqueta - Carlos Drummond de Andrade
"Em minha calça está grudado um nome
Que não é meu de batismo ou de cartório
Um nome... estranho
Meu blusão traz lembrete de bebida
Que jamais pus na boca, nessa vida,
Em minha camiseta, a marca de cigarro
Que não fumo, até hoje não fumei.
Minhas meias falam de produtos
Que nunca experimentei
Mas são comunicados a meus pés.
Meu tênis é proclama colorido
De alguma coisa não provada
Por este provador de longa idade.
Meu lenço, meu relógio, meu chaveiro,
Minha gravata e cinto e escova e pente,
Meu copo, minha xícara,
Minha toalha de banho e sabonete,
Meu isso, meu aquilo.
Desde a cabeça ao bico dos sapatos,
São mensagens,
Letras falantes,
Gritos visuais,
Ordens de uso, abuso, reincidências.
Costume, hábito, premência,
Indispensabilidade,
E fazem de mim homem-anúncio itinerante,
Escravo da matéria anunciada.
Estou, estou na moda.
É duro andar na moda, ainda que a moda
Seja negar minha identidade,
Trocá-lo por mil, açambarcando
Todas as marcas registradas,
Todos os logotipos do mercado.
Com que inocência demito-me de ser
Eu que antes era e me sabia
Tão diverso de outros, tão mim mesmo,
Ser pensante sentinte e solitário
Com outros seres diversos e conscientes
De sua humana, invencível condição.
Agora sou anúncio
Ora vulgar ora bizarro.
Em língua nacional ou em qualquer língua
(Qualquer, principalmente.)
E nisto me comprazo, tiro glória
De minha anulação.
Não sou - vê lá - anúncio contratado.
Eu é que mimosamente pago
Para anunciar, para vender
Em bares festas praias pérgulas piscinas,
E bem à vista exibo esta etiqueta
Global no corpo que desiste
De ser veste e sandália de uma essência
Tão viva, independente,
Que moda ou suborno algum a compromete.
Onde terei jogado fora
meu gosto e capacidade de escolher,
Minhas idiossincrasias tão pessoais,
Tão minhas que no rosto se espelhavam
E cada gesto, cada olhar,
Cada vinco da roupa
Sou gravado de forma universal,
Saio da estamparia, não de casa,
Da vitrine me tiram, recolocam,
Objeto pulsante mas objeto
Que se oferece como signo de outros
Objetos estáticos, tarifados.
Por me ostentar assim, tão orgulhoso
De ser não eu, mar artigo industrial,
Peço que meu nome retifiquem.
Já não me convém o título de homem.
Meu nome noco é Coisa.
Eu sou a Coisa, coisamente."

3- Não Sobrou Ninguém, adaptação de Maiakovski por Bertold Brecht

“Primeiro levaram os negros
Mas não me importei com isso
Eu não era negro

Em seguida levaram alguns operários
Mas não me importei com isso
Eu também não era operário

Depois prenderam os miseráveis
Mas não me importei com isso
Porque eu não sou miserável

Depois agarraram uns desempregados
Mas como tenho meu emprego
Também não me importei

Agora estão me levando
Mas já é tarde.
Como eu não me importei com ninguém
Ninguém se importa comigo.”

4- Lua Adversa, Cecília Meireles (Vocês já viram que amo a Cecília, né?)

"Tenho fases, como a lua.

Fases de andar escondida,

fases de vir para a rua...

Perdição da minha vida!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.
Fases que vão e que vêm
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.
E roda a melancolia
seu interminável fuso!
Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua)
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...
5- Via Láctea, Olavo Bilac

"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo

Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,

Que, para ouvi-las, muita vez desperto

E abro as janelas, pálido de espanto...


E conversamos toda a noite, enquanto

A via-láctea, como um pálio aberto,

Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,

Inda as procuro pelo céu deserto.
Direis agora: "Tresloucado amigo!

Que conversas com elas? Que sentido

Tem o que dizem, quando estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!

Pois só quem ama pode ter ouvido

Capaz de ouvir e de entender estrelas."


Bem, queridos, espero que tenham gostado dessa pequena seleção feita para o dia de hoje e que todos os dias de vocês sejam recheados de poesias <3

23 comentários:

  1. Olá!
    Nunca fui muito chegada a poesias, mas me encantei pela forma de Drummond expressar nossa situação perante o consumismo/capitalismo, assim como a crítica de Não sobrou ninguém. Bela seleção de poemas!

    https://leitoresforever.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Amo poesias e essas que você colocou no post <3 Cecília é simplesmente amor!
    www.belapsicose.com

    ResponderExcluir
  3. Olá!
    Amo poemas e sou do tipo que vê poesia em quase tudo.
    Meus primeiros livros foram de poesias, Mário quintana, quanto mais lia, mais amava.
    Parabéns pela postagens, sempre bom ver blogs fugindo da mesmice literária... ^^
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Sou louca por poesia, Cecilia é linda demais ♥
    amei teu post e tua seleção de poemas!

    ResponderExcluir
  5. Oie!
    A do Drummond eu já conhecia, apareceu há muito tempo em um livro de português meu e me intrigou. A novidade maravilhosa para mim foi Não Sobrou Ninguém. Amei tanto essa!
    Poesia é algo que mexe comigo. Eu não sabia que tinha um dia da poesia. Pois bem, mais que merecido! Que todos os poetas se encham de inspiração e tragam lindos trabalhos para que possamos nos deleitar!
    Beijos, Amanda.
    http://www.expressodenarnia.com/

    ResponderExcluir
  6. Ótimas escolhas de poemas, eu sou poetisa e lancei meu primeiro livro ano passado, bem sei que a poesia é o que gira minha vida, adoro Cecilia, lindos demais.
    beijos

    ResponderExcluir
  7. Apesar de estudar Letras, nunca fui muito fã de poesias, mas oq é bom, não há como desgostar <3 Parabéns pela seleção dos autores! *--*

    http://tedioescritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi adoro poesias, e as de Olavo Bilac são as minhas preferidas!
    No fim você fecha os olhos e viaja!
    Amei

    ResponderExcluir
  9. Oii, tudo bem?
    São poucas poesias que gosto, mas Nem tudo é Fácil eu amo desde que a conheço, nem sei quanto tempo faz...
    Bjs

    A. Libri

    ResponderExcluir
  10. Oi linda,
    Adorei o post, confesso que não sou 100% fã de poesias, mas essa primeira da Cecilia me pegou de jeito... perfeita.
    Até coloquei no face kk

    beijos
    http://livrosetalgroup.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Isa, tudo bem? Não sou muito fã de poesias, mas na escola precisava ler algumas, então algumas eu conheço e gosto bastante. Já conhecia "Eu, Etiqueta" e "Não Sobrou Ninguém", gostei muito de "Nem Tudo é Fácil" e nossa, como ela é perfeita.

    Beijinhos,

    Rafaella Lima // Vamos Falar de Livros?

    ResponderExcluir
  12. Oii..
    Poesia não é meu estilo favorito, mas acho encantador a forma como os poetas brincam com as palavras e os admiro por essas obras tão belas. Um dos meus favoritos é Carlos Drummond de Andrade.

    Beijos
    Carolina
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Oiee
    Não sou fã de poesia, aliás isso é uma cois que m persegue desde a escola.
    Quando tinha poesia eu simplesmente pulava as páginas.
    Porém acho muito interessante como os poetas escrevem, super respeito isso.
    BEijao
    Gio - Clube das 6
    www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oláá
    Quanta poesia interessante, não adoro o gênero mas ás vezes é bom ler sabe?
    Adorei o post e homenagem, ficaram ótimos haha e adorei também as poesias escolhidas ;)

    http://realityofbooks.blogspot.com.br/
    Catharina
    Reality Of Books

    ResponderExcluir
  15. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  16. Olá!
    Não sou fã de poesias mas gosto de ler quando me bate aquela vontade. Até gostaria de escrever mas não sou boa nisso.
    Tem sempre aquela poesia que parece descrever perfeitamente o que estamos sentindo, como ''Nem Tudo é Fácil'', da Cecília Meireles. Adoro as poesias dela. Ela era incrível.
    Beijinhos.
    http://ressacamusiliteraria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Oi!
    Adorei sua seleção de poemas.
    Da Cecília meireles conheço pouquíssimas obras, mas curti bastante as que você selecionou.
    Entre alguns poetas que conheço, tenho muito carinho pelo Vinícius de Moraes, e também gosto bastante dos poemas do Charles bukowski.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  18. Oi, tudo bem? Sempre me senti muito confusa com poesias, nunca sabia se o que eu estava interpretando era o que o poeta se propôs a escrever. Mas, ultimamente, ando lendo autores tão bons que meu amor por esse gênero está crescendo <3 O meu poema preferido é Poema de Sete Faces, do Drummond, porque a primeira estrofe é a síntese da minha vida <3

    Love, Nina.
    http://ninaeuma.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  19. Oie, tudo bom?
    Não sabia que tinha passado o dia Mundial da Poesia. Eu não leio muitas poesias, mas tem muitas que conseguem emocionar e cativar de uma forma única. Eu tenho algumas poesias preferidas, principalmente do Pablo Neruda.
    Beijos,
    http://livrosyviagens.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  20. Oie, Isabella!
    Não sabia que dia 21/03 é o dia da poesia. Que legal! Adorei a seleção que você fez. Vi que você ama a Cecília mesmo, mas com motivos. As poesias dela foram as que mais amei. O Drummond também me surpreendeu, nunca havia lido nada dele.
    Com carinho,
    Celly.

    http://melivrandoblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  21. Tão bom matar saudade da Cecília e do Drummond, dois grandes autores que me acompanharam na adolescência.
    Bjs,Rose

    ResponderExcluir
  22. Ola Isabella linda essas poesias algumas ja conhecia outras não .Faço parte do :Seguindo no google friend connect.
    Seguindo aqui.
    Deixo meu carinho.
    http://reginaladydapaz.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...